sábado, 21 de maio de 2011

A Capitu do Cangaço

Capitu traiu Bentinho? Capitu com seus olhos de ressaca? Logo na primeira cena do curta-metragem Querença de Iziane Mascarenhas, pensei em Machado. Capitu do cangaço, pensei, ao ver Lidia com seus olhos apavorados em close... Sempre defendo Capitu, mulher que não quer se prender às amarras da burguesia de uma época. Trair ou não trair Bentinho era o que menos importava no romance de Machado. Trair ou não trair Zé Baiano é o que menos importa em Querença também. O que importa sao os olhos...


Os queres possiveis do cangaço pintados na tela sob o olhar feminino é que são o coração da trama. O desejo de soltar as tranças. As tranças das mulheres do cangaço são significativas no filme. Zé Baiano trança os cabelos de Lidia. Uma Lidia sentada entre suas pernas. Aparentemente feliz, a cena é triste. Os olhos de Lidia são de ressaca. Sozinha, ela corre no mato, ela solta os quereres, ela cai nos braços de quem escolhe... No bando, ela tem um dono...


O olhar masculino é olhar em bando e está sempre de tocaia. Lidia morre por querer... a pauladas... e o sol se põe... Morte do sol da poesia. Lidia é a Capitu do cangaço.

2 comentários:

  1. Só me deu ainda mais vontade de assistir Querença... viva a Iziane e viva a Paulinha por escrever tão bonito sobre o filme!! Viva!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada! Bom ter você por aqui como a melhor de todas as leitoras do meu blog! =)

    ResponderExcluir